spot_imgspot_img

Ataque em academia militar na Síria deixa 80 mortos e centenas de feridos


O ministro da Saúde da Síria, Hassan al-Ghabash, e sua equipe visitando um dos feridos que sobreviveu ao ataque com drones
O ministro da Saúde da Síria, Hassan al-Ghabash, e sua equipe visitando um dos feridos que sobreviveu ao ataque com drones| Foto: EFE/EPA/AGÊNCIA DE NOTÍCIAS ÁRAB SÍRIA

Ao menos 80 pessoas foram mortas e outras 240 ficaram feridas após um devastador ataque com drones atingir uma academia militar da cidade Homs, no oeste da Síria, durante uma cerimônia de formatura que estava ocorrendo nesta quarta-feira (4). O atentado foi uma das mais mortais ofensivas realizadas contra uma instalação militar controlada pelo regime sírio em anos.

O ministro da Saúde da Síria, Hasan al Ghabash, confirmou os
números, destacando que entre as vítimas estão seis mulheres e seis menores de
idade. Muitos dos feridos encontram-se em estado crítico, e o número de mortos
pode aumentar, de acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos.

O Ministério da Defesa da Síria descreveu o ataque como
“sem precedentes” e responsabilizou “organizações terroristas
apoiadas por conhecidas partes internacionais”. Até o momento, nenhum
grupo reivindicou a autoria do atentado.

A cerimônia de formatura já havia terminado quando os
drones, carregados com explosivos, atingiram o local, enquanto oficiais estavam
tirando fotos e cumprimentando uns aos outros. O ministro da Defesa da Síria,
Ali Mahmoud Abbas, compareceu à cerimônia, mas deixou o local cerca de 20
minutos antes do ataque, de acordo com fontes oficiais.

A cidade de Homs é o palco de intensos confrontos entre as forças
do regime sírio e grupos de oposição desde 2012. As forças armadas sírias prometeram
uma resposta “com plena força e determinação”, ao ataque ocorrido
nesta quarta-feira.

Enquanto isso, no nordeste da Síria, pelo menos oito pessoas foram mortas em ataques aéreos turcos em áreas controladas pelos curdos. Os ataques foram uma resposta a um atentado em Ancara, reivindicado pelo Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), grupo classificado como uma organização terrorista pelo governo da Turquia, Estados Unidos e União Europeia.



Fonte: Gazeta do Povo

spot_imgspot_img

Últimas

Leia também

spot_imgspot_img

Padre e companheiro são presos vendendo Viagra e afrodisíacos na Espanha

A Guarda Civil da Espanha prendeu o pároco da Igreja de...

Recalcular decisões de vida é mais difícil para pessoas pobres e negras

"Não foi positivo, mas foi necessário", define o fluminense Flávio Gomes,...

Empresa é condenada após gerente criticar aparência de ex-estagiária

A Justiça do Trabalho condenou uma concessionária de automóveis de Sorocaba...