spot_imgspot_img

Chefe de gabinete do Ministério da Agricultura do Paraguai é demitido após assinar acordo com país fictício


O presidente do Paraguai, Santiago Peña
O presidente do Paraguai, Santiago Peña| Foto: EFE/Lênin Nolly

O Ministério da Agricultura e Pecuária do Paraguai
protagonizou um vexame ao assinar um memorando de entendimento com os Estados
Unidos de Kailasa, um país que não existe. O documento foi assinado pelo chefe
de gabinete da pasta, Arnaldo Chamorro, que foi destituído do cargo após a
repercussão negativa do caso.

O suposto país de Kailasa foi criado pelo guru hindu
Nithyananda Paramashivam, que é acusado de violação e agressão sexual na Índia.
Segundo informações da BBC, Paramashivam afirma ter comprado uma ilha no
Equador para “fundar sua nação”, mas o governo equatoriano nega essa
informação. Kailasa não é reconhecido por nenhum país ou organização
internacional.

Segundo o memorando, o Ministério da Agricultura expressou seu “desejo e recomendação” para que o governo do Paraguai estabelecesse “relações diplomáticas com Kailasa” e apoiasse sua admissão como Estado soberano independente em várias organizações internacionais, como as Nações Unidas. O documento também previa uma cooperação agrícola entre as partes.

Chamorro admitiu que assinou o documento “sem saber onde
ficava Kailasa” e que apenas recebeu uma proposta de ajuda para a irrigação de
pastos. Ele disse que dois supostos representantes de Kailasa se aproximaram de
forma particular da pasta e que só falavam inglês. Chamorro também revelou que
os falsos diplomatas chegaram a se reunir com o titular da pasta da Agricultura,
Carlos Giménez.

Além do Ministério da Agricultura, outras autoridades do Paraguai também caíram na farsa de Kailasa. Segundo informações do site paraguaio ABC, dois municípios do país, María Antonia e Karapai, assinaram acordos de “irmandade” com o país fictício e receberam supostas doações de medicamentos. Um assessor externo do Congresso do Paraguai também pediu o “reconhecimento” de Kailasa.

Segundo informações da BBC, em março deste ano os Estados Unidos de Kailasa chegaram a participar de dois debates em uma sessão da Organização das Nações Unidas (ONU), mesmo sem ser membro da organização. Na época, a ONU afirmou que as intervenções de Kailasa foram “irrelevantes” para os assuntos que estavam sendo debatidos na sessão e que iria ignorar qualquer declaração feita pelos supostos representantes do país fictício.



Fonte: Gazeta do Povo

spot_imgspot_img

Últimas

Militar venezuelano exilado no Chile foi sequestrado por Maduro

Ronald Ojeda Moreno, um tenente do exército venezuelano...

Universidade confiscada vira centro de doutrinação de Ortega

A Universidade Centro-americana (UCA), uma instituição católica fundada...

Leia também

spot_imgspot_img

STF suspende julgamento que pode retirar mandato de sete deputados

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta quarta-feira (21) o julgamento...

Barcelona desperdiça chances e acaba castigado com o empate do Napoli na Liga dos Campeões

O Barcelona tinha tudo para celebrar uma boa vitória em visita...

Seminfra orienta ciclistas sobre uso da ciclovia na Fernandes Lima em dias de chuva

Projetada respeitando todos os parâmetros estabelecidos pelo Conselho Nacional de Trânsito...