segunda-feira, dezembro 5, 2022
HomeMundoCoreia do Norte dispara míssil balístico que sobrevoa o Japão

Coreia do Norte dispara míssil balístico que sobrevoa o Japão

Gaúcha ZH

A Coreia do Norte disparou um míssil balístico de alcance intermediário que sobrevoou o Japão, o que levou este país a ativar seu sistema de alerta e recomendar que a população procurasse refúgio.

A última vez que Pyongyang disparou um míssil sobre o Japão foi em 2017, em meio ao aumento das tensões entre o líder norte-coreano, Kim Jong Un, e o então presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

O exército sul-coreano afirmou que detectou “um míssil balístico suspeito de alcance intermediário que foi lançado da área de Mupyong-ri na província de Jagang por volta das 7h23 (19h23 de segunda-feira em Brasília) e passou sobre o Japão na direção leste”.

Em um comunicado posterior, as Forças Armadas da Coreia do Sul explicaram que o projétil voou 4.500 quilômetros a uma altitude de 970 quilômetros e atingiu uma velocidade de Mach 17, o que equivale a 17 vezes a velocidade do som.

Em resposta, as Forças Aéreas sul-coreana e americana executaram uma simulação de bombardeio de precisão com aviões F-15K de Seul e F-16 de Washington.

Os caças sul-coreanos “lançaram duas bombas conjuntas de ataque direto contra um alvo virtual no Mar Amarelo”, informou o Estado-Maior Conjunto de Seul.

O presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol denunciou o míssil norte-coreano como uma “provocação” que viola as resoluções da ONU e defendeu uma “resposta firme”.

– Alerta no Japão –

Tóquio também relatou o disparo do míssil por Pyongyang e emitiu um alerta de evacuação em duas regiões do norte para que seus habitantes se refugiassem dentro de prédios ou em abrigos subterrâneos.

“Acredita-se que um míssil balístico passou sobre nosso país e caiu no Oceano Pacífico. Este é um ato de violência após o recente disparo repetido de mísseis balísticos. Nós o condenamos fortemente”, disse o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida.

O ministro da Defesa, Yasukazu Hamada, afirmou que a Coreia do Norte “disparou mísseis do tipo Hwasong 12 quatro vezes no passado, então este pode ser um projétil do mesmo tipo”.

Se a distância do voo for confirmada, que Tóquio calculou em 4.600 km, seria um recorde para este tipo de projétil, segundo o ministro.

O Comando dos Estados Unidos para a região Indo-Pacífico condenou o lançamento norte-coreano e reafirmou seu compromisso com a defesa do Japão e da Coreia do Sul.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, chamou o disparo de “agressão injustificável” e afirmou que a União Europeia “é solidária a Japão e Coreia do Sul”.

– “Escalada significativa” –

Com as negociações entre Washington e Seul paralisadas há tempo, Kim redobrou seus esforços para modernizar o arsenal da energia nuclear e implantou um número recorde de testes de armas.

Na semana passada, Pyongyang disparou até quatro mísseis balísticos de curto alcance, incluindo um poucas horas após a visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, a Seul.

Paralelamente à escalada de testes do país comunista, Seul, Tóquio e Washington intensificaram seus exercícios militares conjuntos.

O lançamento mais recente envia uma mensagem aos Estados Unidos, afirmou à AFP Park Won-gon, professor de Estudos Norte-Coreanos na Universidade Ewha, de Seul.

“Os mísseis, capazes de transportar ogivas nucleares, colocam a Coreia do Sul, Japão e Guam dentro de seu alcance” e mostram que Pyongyang pode atacar bases americanas com armas atômicas se uma guerra começar na península coreana, disse Park.

Há alguns dias atrás, Seul e Washington realizaram exercícios navais em larga escala na península e planejam para sexta-feira manobras submarinas com o Japão, as primeiras em cinco anos.

Os exercícios incomodam a Coreia do Norte, que os considera ensaios para uma eventual invasão.

“Se Pyongyang disparou um míssil sobre o Japão, isso significaria uma escalada significativa em suas recentes provocações”, disse Leif-Eric Easley, professor da Universidade Ewha.

Washington e Seul vêm alertando há meses que o país comunista está preparando um novo teste de uma arma nuclear. Segundo eles, isso pode acontecer logo após o Congresso do Partido Comunista da China em 16 de outubro.

A Coreia do Norte, alvo de várias sanções da ONU por seus programas de armas, normalmente procura maximizar o impacto geopolítico de seus testes em momentos propícios.

NOTÍCIAS RELACIONADAS
- Publicidade -

ÚLTIMAS