Empresa diz que sócio morto em 2018 ‘emprestou nome’ para locação de mansão em que moraram Belo e Gracyanne

 Empresa diz que sócio morto em 2018 ‘emprestou nome’ para locação de mansão em que moraram Belo e Gracyanne

Empresa de eventos que assinou locação está em nome de pai e filha. Proprietário do imóvel cobra R$ 483 mil na Justiça após despejo e afirma ter sido informado por vizinhos que cantor e influencer eram os moradores.

Por Carlos Henrique Dias, g1 SP — São Paulo

O dono da empresa que alugou a mansão em que moraram o cantor Belo e a esposa dele, Gracyanne Barbosa, em Moema, na Zona Sul de São Paulo, “emprestou o nome” ao artista para que fosse feita a locação do imóvel. A informação foi confirmada por um representante da companhia, nesta sexta-feira (26), após o g1 entrar em contato.

Segundo a Receita Federal, a Central de Shows e Evento Ltda. está em nome de uma mulher, que tem 5% da empresa, e do pai dela, que concentra 95%.

O empresário morreu aos 77 anos, em setembro de 2018. A morte foi constatada no pronto-socorro de Santos. Ele havia passado mal em um apartamento. Desde dezembro daquele ano, os aluguéis do imóvel na capital paulista não foram mais quitados, segundo o proprietário.

Por telefone, a assessoria de imprensa da Central de Shows e Evento Ltda. afirmou que o cantor e o empresário se conheciam, e o contrato foi assinado pelo idoso. O artista não teria pago os valores. A defesa de Belo emitiu uma nota na noite de quinta-feira.

O dono do imóvel cobra R$ 483.156,46 no caso que corre pela 5ª Vara Cível do Foro Regional III – Jabaquara, entre aluguéis, IPTU, contas, multa contratual e danos morais. Segundo a cláusula 7ª do contrato, não era permitida a transferência de contrato a terceiros, sublocar ou emprestar o imóvel.

Uma decisão de 4 de agosto dá um prazo para que o valor seja ressarcido pelas partes. O casal e a empresa Central de Shows e Evento Ltda, que assinou o contrato, foram citados no processo para arcarem com os valores.

Entenda mais abaixo sobre os pagamentos que tinham sido feitos e a ordem de despejo do canto e a esposa.

g1 localizou a mulher que aparece na Receita Federal como sendo uma das sócias da empresa de eventos que alugou a mansão para “ser uma moradia para funcionários”, segundo alegou o proprietário com o contrato à Justiça. De forma breve, ela conversou por telefone com a reportagem.

“Essa Central de Shows que está falando, você procura eles, então, e conversa com eles”, disse, quando questionada sobre o contrato de locação do imóvel.

“Eu acho, assim, um absurdo, sabe? O nome do meu pai? Depois de morto, o pessoal não respeitar isso”, completou.

Em seguida, a assessoria alegou que a mulher não tinha conhecimento sobre o negócio feito pelo pai.

Belo e Gracyanne na casa

Gracyanne Barbosa e o cantor Belo — Foto: Marcos Serra Lima/G1
Gracyanne Barbosa e o cantor Belo — Foto: Marcos Serra Lima/G1

Em 9 de novembro de 2017, foi fechada com a empresa de eventos a locação da mansão para moradia e residência de funcionário ou diretor pelo prazo de 30 meses, que se iniciava em 10 de dezembro de 2017.

Segundo o documento, o aluguel acordado foi de R$ 14.300, em conjunto com o valor de R$ 1.700 de IPTU, com vencimento no dia 20 de cada mês. Devia também ser feito o pagamento de despesas de consumo de luz, água e seguro.

Imagem mostra a piscina da mansão em SP após a saída do casal — Foto: Reprodução
Imagem mostra a piscina da mansão em SP após a saída do casal — Foto: Reprodução Anterior

Yoná Micaella

Mais Notícias