Ministério Público pede que caso Ribeiro seja enviado ao STF por possível interferência de Bolsonaro

 Ministério Público pede que caso Ribeiro seja enviado ao STF por possível interferência de Bolsonaro

Foto: Cláudio Reis / Estadão Conteúdo

O Ministério Público Federal (MPF) pediu para a Justiça que a investigação sobre o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro seja enviada para o Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo o MPF, a medida é necessária porque há indício de que o presidente Jair Bolsonaro pode ter interferido na investigação.

O MPF justifica o pedido com base em interceptações telefônicas de Milton Ribeiro que indicam a possibilidade de vazamento das apurações do caso. Segundo o MPF, há indícios de que houve vazamento da operação policial e possível interferência ilícita por parte do Bolsonaro

“Outrossim, nesta oportunidade, o MPF vem requerer que o auto circunstanciado nº 2/2022, bem como o arquivo de áudio do investigado Milton Ribeiro, que aponta indício de vazamento da operação policial e possível interferência ilícita por parte do residente da República Jair Messias Bolsonaro nas investigações, sejam desentranhados dos autos e remetidos, de maneira apartada e sigilosa, ao Supremo Tribunal Federal”, escreveu o Ministério Público.

O juiz Renato Boreli, da 15ª Vara de Justiça Federal de Brasília atendeu ao pedido do MPF. No STF, a relatora será a ministra Cármen Lúcia.

Operação deflagrada pela Polícia Federal na quarta-feira (22) prendeu o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro e pastores com influência dentro do MEC. A suspeita é que eles façam parte de esquema que liberava verbas da pasta para projetos em municípios em troca de propina.

Ribeiro, os pastores Gilmar Santos e Arilton Moura e demais presos na operação foram soltos na quinta (23), por determinação judicial.

Conversas telefônicas

Veja abaixo transcrições de conversas telefônicas de Milton Ribeiro, gravadas com autorização da Justiça. Esses trechos estão na decisão do juiz Boreli. Segundo o MPF, as conversas levantam indícios de que o ex-ministro foi avisado sobre a operação com antecedência e de que houve interferência de Bolsonaro na investigação.

O juiz Boreli escreveu que, nas conversas, “foi possível vislumbrar eventual conhecimento das apurações com contornos de interferência”.

Conversa de Milton Ribeiro com uma pessoa identificada como Waldomiro:

MILTON RIBEIRO: Tudo caminhando, tudo caminhando. Agora… tem que aguardar né…. alguns assuntos tão sendo resolvidos pela misericórdia divina né…negócio da arma, resolveu… aquele… aquela mentira que eles falavam…que os ônibus estavam superfaturados no FNDE… pra… (ininteligível) também… agora vai faltar o assunto dos pastores, né? Mas eu acho assim, que o assunto dos pastores… é uma coisa que eu tenho receio um pouco é de… o processo… fazer aquele negócio de busca e apreensão, entendeu?

Conversa de Ribeiro com uma pessoa identificada como Adolfo:

MILTON: (…) mas algumas coisas já foram resolvidas né… acusação de que houve superfaturamento… isso já foi… agora, ainda resta o assunto do envolvimento dos pastores, mas eu creio que, no devido tempo, vão ser esclarecidos….

Conversa com um familiar:

MILTON: Não! Não é isso… ele acha que vão fazer uma busca e apreensão…em casa… sabe… é… é muito triste. Bom! Isso pode acontecer, né? se houver indícios né…

Ribeiro não foi transferido para Brasília

No pedido à Justiça, o MPF também destaca, como indício de interferência, o fato de Ribeiro não ter sido transferido para Brasília após ter sido preso. Ele ficou em São Paulo, apesar de a decisão judicial que autorizou a operação ter determinado a ida para a capital federal.

“Registre-se também que há indícios de igual interferência na atividade investigatória da Polícia Federal quando do tratamento possivelmente privilegiado que recebeu o investigado Milton Ribeiro, o qual não foi conduzido ao Distrito Federal (não havendo sido tampouco levado a qualquer unidade penitenciária) para que pudesse ser pessoalmente interrogado pela autoridade policial que preside o inquérito policial, apesar da farta estrutura disponível à Polícia Federal para a locomoção de presos”, escreveu o MPF.

O MPF ressaltou ainda que a permanência de Ribeiro em São Paulo prejudicou as investigações.

Essa suposta interferência também foi mencionada nesta quinta-feira (23) em uma mensagem do delegado da PF responsável pelo caso, Bruno Calandrini.

A mensagem não é citada pelo Ministério Público no inquérito. Mas, nela, dirigindo-se aos coegas da PF, Calandrini disse que o ex-ministro teve tratamento diferenciado ao ser levado, depois de preso, para São Paulo e não para Brasília, como deveria ter sido pela ordem judicial.

G1

Mais Notícias