Projeto insere jovens do Vergel do Lago no universo da fotografia

 Projeto insere jovens do Vergel do Lago no universo da fotografia

Jovens do Vergel do Lago tiveram aulas teóricas e práticas sobre técnicas de fotografia. Foto: Itawi Albuquerque/Secom Maceió

Iniciativa da Secom Maceió promoveu a capacitação e deve resultar em uma exposição no shopping

Thiago Gomes/Secom Maceió

Jovens do Vergel do Lago, em Maceió, tiveram a oportunidade de aprender a técnica da fotografia e registrar os melhores ângulos da orla lagunar. Eles participam da 1ª edição do projeto Bairros em Foco, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Comunicação (Secom), para dar visibilidade e reconhecer o valor dos moradores e da realidade ao qual estão inseridos. Uma exposição vai apresentar ao público o trabalho desenvolvido ao longo da capacitação.

Dois fotógrafos do time Secom compartilharam conhecimentos básicos de fotografia e incentivaram os participantes a expressar os costumes locais, as belezas naturais e paisagens de uma das localidades mais bonitas da capital, que ainda é pouco prestigiada.

Na última quinta-feira (19), eles tiveram uma aula de campo. O cenário escolhido foi a antiga Favela Sururu de Capote, que vem sendo substituída por um programa de urbanismo executado pela Prefeitura. Lá, os jovens puderam colocar em prática o método aprendido para manuseio dos equipamentos profissionais e, assim, deixaram a sensibilidade aflorar, podendo registrar o cotidiano da comunidade e a vida na Lagoa Mundaú, em um inesquecível passeio de canoa.

Projeto é coordenado pela Secom e mobilizou os fotógrafos Gabriel Moreira e Itawi Albuquerque. Foto: Secom Maceió
Projeto é coordenado pela Secom e mobilizou os fotógrafos Gabriel Moreira e Itawi Albuquerque. Foto: Secom Maceió

O universitário Marcos Felipe Cruz, 23 anos, é um dos alunos do projeto e disse que, no curso, descobriu o potencial que tem no campo da fotografia. Apesar de não ser a primeira vez que ele teve contato com a técnica, foram nas aulas que o jovem foi despertado para uma área que pretende adotar como fonte de renda, caso outras oportunidades surjam.

“Foi um conteúdo muito novo. Participei de aulas no projeto Mandaver sobre fotografia em smartphones. Agora, o curso foi avançado e foi a primeira vez que tive contato com a câmera profissional. Nos primeiros dias, tudo pareceu bem difícil, mas fui descobrindo a pegada, o método de pegar o melhor ângulo, a observar a iluminação. Sem falar que o passeio de canoa para observar a lagoa foi muito legal, algo que não fazia desde os meus cinco anos de idade. Foi bastante inspirador”, descreveu.

Cássia Vitória Silva tem 19 anos e era a mais nova da turma. Ela disse que cada etapa do curso foi marcante, mas a prática fotográfica teve mais impacto em sua vida. “Eu amei a experiência e vou levar cada aprendizado daqui e da teoria da fotografia para sempre. Não pensava em atuar como fotógrafa até ser apresentada a este mundo. Agora, quero viver tudo isso”, resumiu.

A colega dela, Angelina do Carmo Santos, de 21 anos, revela que vai seguir esta profissão por apostar que vai ter muitas alegrias ao eternizar momentos. “Seria muito bom se eu tivesse oportunidade de ter mais aulas durante mais meses, mas foi incrível. Espero continuar nesse ramo, talvez como uma segunda carreira”, contou.

Já a visão de Maysa Vitória Damasceno, 20, mudou com as aulas de fotografia. Estudante de Psicologia, ela diz sofrer de transtornos de ansiedade e encontrou, nesta área, o refúgio de que precisava para se acalmar. “Fotografar, pra mim, é como se fosse uma terapia. Tenho algumas crises de pânico e ansiedade e a fotografia surge como um meio para eu extravasar, me distrair, ocupando a minha mente”, disse a jovem, revelando que prefere registrar a rotina das pessoas e paisagens.

Ao todo, foram 10 horas de aula teórica, ministradas pelos fotógrafos Gabriel Moreira e Itawi Albuquerque. Mesmo jovens, os dois são profissionais com vasta experiência no mercado e fizeram questão de repassar um pouco do conhecimento aos jovens do Vergel do Lago. O conteúdo compartilhado tratou sobre o uso e os tipos de câmeras, a técnica para manuseio, com dicas valiosas de quem vivencia esta profissão.

“A ideia inicial era a gente trazer uma visão de fotógrafos que fossem do Vergel para o Vergel. Temos um complexo lagunar que é rico em cultura, uma comunidade acolhedora, um pôr do sol belíssimo, o sururu que é muito bem aproveitado e os pescadores que trazem este produto para ser preparado e vendido. Queremos expor melhor essa realidade das pessoas que já estão mais próximas destes jovens”, detalhou Gabriel Moreira.

Em parceria com a Prefeitura de Maceió, a Escola Criativa de Fotografia elaborou a metodologia do curso e forneceu os instrumentos adequados como as câmeras fotográficas, materiais gráfico e didático para que os pequenos momentos e as grandes histórias pudessem ser registrados e revelados ao público, contribuindo para fortalecer um dos mais importantes vínculos de uma comunidade com o bairro: o orgulho pelo pertencimento. Por isso, a meta é levar o projeto a outros bairros.

Segundo Itawi Albuquerque, as imagens captadas pelos alunos nesta primeira edição ganharão uma exposição em um shopping da capital numa série de 20 imagens. As fotos serão selecionadas, inclusive, considerando a opinião dos alunos. É uma maneira de apresentar o trabalho deles para um público grande e diversificado. Os ministrantes também pensam na possibilidade de comercializar as fotos. O valor arrecadado será destinado ao fomento de capacitações artísticas

O fotógrafo explicou que os jovens foram escolhidos por já terem interesse ou afinidade com artes visuais, de renda familiar inferior a três salários mínimos. E revelou que o projeto surgiu a partir da ideia do secretário municipal de Comunicação, Lininho Novaes, para ser montada uma exposição com as melhores fotos do time Secom. Foi dada a sugestão, pelos fotógrafos, para viabilizar uma capacitação com jovens do Vergel do Lago, cujo resultado seria exposto ao público.

“É com capacitações assim que se podem gerar oportunidades. Uma delas é transformar o conhecimento adquirido em uma futura profissão ou até mesmo ser um meio pelo qual estes jovens podem se expressar”, enfatizou Itawi.

Mais Notícias