Rússia está saqueando ouro no Sudão para impulsionar guerra de Putin na Ucrânia

 Rússia está saqueando ouro no Sudão para impulsionar guerra de Putin na Ucrânia

Alex Platt / CNN

Investigação exclusiva da CNN mostra que governo sudanês permitiu que Rússia retirasse ouro de forma ilegal do país; metal precioso não consta nos registros russos e sudaneses

CNN

Dias após Moscou lançar sua sangrenta guerra contra a Ucrânia, um avião de carga russo estava na pista de Cartum, uma faixa de asfalto cercada por areia vermelho-alaranjada. A ata da aeronave dizia que o avião estava carregado de biscoitos. O Sudão raramente, ou nunca, exporta biscoitos.

Um debate acalorado ocorria entre funcionários em um escritório dos fundos do Aeroporto Internacional de Cartum. Eles temiam que a inspeção do avião irritasse a liderança militar cada vez mais pró-Rússia do país. Várias tentativas anteriores de interceptar transportadoras russas suspeitas foram interrompidas. Finalmente, no entanto, os funcionários decidiram embarcar no avião.

Dentro do porão, caixas coloridas de biscoitos se estendiam diante deles. Escondidos logo abaixo havia caixotes de madeira do recurso mais precioso do Sudão. Ouro. Cerca de uma tonelada dele.

Este incidente em fevereiro, relatado por várias fontes oficiais sudanesas à CNN, é um dos pelo menos 16 voos russos de contrabando de ouro conhecidos que saíram no último ano e meio do Sudão, o terceiro maior produtor do metal precioso da África.

Várias entrevistas com autoridades do alto escalão sudanesas e norte-americanas e documentos revisados pela CNN pintam um quadro de um elaborado esquema russo para saquear as riquezas do Sudão, em uma tentativa de fortalecer a Rússia contra sanções ocidentais cada vez mais robustas e apoiar o esforço de guerra que Moscou tem feito na Ucrânia.

A evidência também sugere que a Rússia conspirou com a liderança militar sitiada do Sudão, permitindo que bilhões de dólares em ouro contornassem o estado sudanês e privassem o país assolado pela pobreza de centenas de milhões em receita estatal.

Em troca, a Rússia emprestou um poderoso apoio político e militar à liderança militar cada vez mais impopular do Sudão, à medida que reprime violentamente o movimento pró-democracia do país.

Principais locais

  • Usina de processamento de ouro em Al-Ibaidiya
    Processando ouro de todo o nordeste do Sudão, a fábrica é de propriedade de uma empresa sudanesa para a Meroe Gold, ligado ao grupo Wagner e sancionado pelos EUA.
    Fontes dizem que esse é o veio central das operações de contrabando de ouro da Rússia no Sudão.
  • Aeroporto de Cartum
    Usado para voos de contrabando de ouro.
    Autoridades tentaram interceptar um voo operado pela Rússia que transportava cerca de uma tonelada de ouro dias após a invasão da Ucrânia.
  • Aeroporto de Porto Sudão
    Usado para contrabandear ouro do Sudão.
    Voos operados pela Rússia estão partindo daqui para Latakia, na Síria.
    Latakia é o lar de uma importante base militar russa.
  • República Centro-Africana
    O ouro é contrabandeado do Sudão por rotas terrestres para a República Centro-Africana.
    O regime do país é apoiado pelo grupo Wagner, ligado à Rússia.

Atuais e ex-funcionários dos Estados Unidos disseram à CNN que a Rússia apoiou ativamente o golpe militar do Sudão em 2021, que derrubou um governo civil de transição, dando um golpe devastador ao movimento pró-democracia sudanês que retirou o presidente Omar al-Bashir dois anos antes.

“Sabemos há muito tempo que a Rússia está explorando os recursos naturais do Sudão”, disse um ex-funcionário dos EUA familiarizado com o assunto. “Para manter o acesso a esses recursos, a Rússia incentivou o golpe militar”.

“À medida que o resto do mundo se fechou para [a Rússia], eles têm muito a ganhar com esse relacionamento com os generais do Sudão e em ajudar os generais a permanecer no poder”, acrescentou o ex-funcionário. “Essa ‘ajuda’ vai desde treinamento e apoio de inteligência até o benefício conjunto do ouro roubado do Sudão”.

No centro dessa troca de favores entre Moscou e a junta militar do Sudão está Yevgeny Prigozhin, um oligarca russo e aliado chave do presidente Vladimir Putin.

O homem de 61 anos, fortemente sancionado, controla uma rede sombria de empresas que inclui o Wagner, um grupo paramilitar ligado a suposta tortura, assassinatos em massa e saques em vários países devastados pela guerra, como a Síria e a República Centro-Africana (RCA). Prigozhin nega ligações com o grupo Wagner.

Homens em uma mina artesanal no Sudão, o país do ouro / Alex Platt / CNN

No Sudão, o principal veículo de Prigozhin é uma empresa sancionada pelos EUA chamada Meroe Gold – uma subsidiária da M-invest, de propriedade de Prigozhin – que extrai ouro enquanto fornece armas e treinamento para o exército e paramilitares do país, de acordo com faturas vistas pela CNN.

“Através da Meroe Gold, ou de outras empresas associadas aos funcionários da Prigozhin, desenvolveu uma estratégia de saquear os recursos econômicos dos países africanos onde ele intervém, em contrapartida do seu apoio aos governos em vigor”, disse Denis Korotkov, investigador no Dossier Center, com sede em Londres, que rastreia a atividade criminosa de várias pessoas associadas ao Kremlin. O centro foi iniciado por Mikhail Khodorkovsky, que já foi o homem mais rico da Rússia, e agora vive exilado em Londres.

CNN, em colaboração com o Dossier Center, também pode revelar que pelo menos um agente do alto escalão do grupo Wagner, Alexander Sergeyevich Kuznetsov, supervisionou as operações nos principais locais de mineração, processamento e trânsito de ouro do Sudão nos últimos anos.

Kuznetsov – também conhecido como “Ratibor” e “Radimir” – é um sequestrador condenado que lutou na vizinha Líbia e comandou a primeira empresa de ataque e reconhecimento do grupo Wagner em 2014. Ele recebeu quatro vezes o prêmio Ordem da Coragem da Rússia e foi fotografado ao lado de Putin e Dmitri Utkin, fundador do grupo Wagner, em 2017. A União Europeia sancionou Kuznetsov em 2021.

O crescente vínculo entre os governantes militares do Sudão e Moscou gerou uma intrincada rede de contrabando de ouro. De acordo com fontes oficiais sudanesas, bem como dados de voo revisados pela CNN, em colaboração com a conta do Twitter do rastreador de voos Gerjon, pelo menos 16 dos voos interceptados por autoridades sudanesas no ano passado foram operados por aviões militares que chegaram e saíram da cidade portuária síria de Latakia, onde a Rússia tem uma importante base aérea.

Os carregamentos de ouro também seguem uma rota terrestre para a República Centro-Africana, onde o grupo Wagner apoiou um regime repressivo e teria aplicado algumas de suas táticas mais cruéis à população do país, de acordo com várias fontes oficiais sudanesas e o Dossier Center.

Uma mina artesanal perto da estrada entre Atbara e Porto Sudão / Alex Platt / CNN

CNN entrou em contato com o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, o Ministério da Defesa russo e a organização-mãe do grupo de empresas administrado por Prigozhin para comentar. Ninguém respondeu.

Respondendo às descobertas da investigação da CNN, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse: “Estamos monitorando essa questão de perto, incluindo as atividades relatadas da Meroe Gold, o Grupo Wagner, apoiado pelo Kremlin, e outros atores sancionados no Sudão, na região e o comércio de ouro em todo o país”.

“Apoiamos o povo sudanês em sua busca por um Sudão democrático e próspero que respeite os direitos humanos”, acrescentou o porta-voz. “Continuaremos a deixar claras as nossas preocupações aos oficiais militares sudaneses sobre o impacto maligno do grupo Wagner, da Meroe Gold e outros atores”.

  • Mohamed Hamdan “Hemedti” Dagalo
    Dagalo, também conhecido como “Hemedti”, é o comandante das poderosas Forças de Apoio Rápido (FAR) paramilitares do Sudão.
    Ele ajudou a organizar um golpe militar em 2021 e tornou-se vice-chefe do conselho militar transitório do Sudão.
    No dia em que a Rússia invadiu a Ucrânia, Hemedti liderava uma delegação sudanesa em Moscou.
    O grupo Wagner fornece armas e treinamento para a FAR há anos.
  • Abdel Fattah al-Burhan
    Burhan é o principal general do Sudão e presidente do governo militar no poder.
    Ele foi implicado por grupos de direitos humanos em supostos crimes de guerra e crimes contra a humanidade durante o conflito de Darfur, no Sudão.
  • Alexander Sergeyevich Kuznetsov
    Um sequestrador condenado, Kuznetsov tornou-se um dos primeiros comandantes do grupo Wagner em 2014. Ele foi ferido lutando na Líbia em 2019.
    Kuznetsov foi fotografado com o presidente russo, Vladimir Putin, e o fundador do grupo Wagner, Dmitry Utkin.
    A União Europeia sancionou Kuznetsov, que também é conhecido por “Ratibor” e “Radimir”, em 2021.
    A CNN descobriu que ele supervisionou as operações nos principais locais de mineração, processamento e trânsito de ouro do Sudão.

Recuando nas sombras

A intromissão da Rússia no ouro do Sudão começou a fundo em 2014, depois que a invasão da Crimeia provocou uma série de sanções ocidentais. As remessas de ouro provaram ser uma maneira eficaz de acumular e transferir riqueza, reforçando os cofres estatais da Rússia e evitando sistemas internacionais de monitoramento financeiro.

Cronologia do envolvimento russo no Sudão

  • 2014
    Crimeia: a Rússia invade a Crimeia da Ucrânia, provocando uma série de sanções ocidentais. Moscou começa a voltar sua atenção para o ouro enquanto procura maneiras de transferir riqueza sem monitoramento financeiro.
  • 2017
    Meroe Gold: o então presidente de longa data do Sudão, Omar al-Bashir, e o presidente russo, Vladimir Putin, se encontram. Bashir propõe o Sudão como a “chave para a África” de Moscou. É fundada a empresa russo-sudanesa Meroe Gold.
  • 2019
    Bashir é derrubado pelo movimento pró-democracia do Sudão. A Rússia muda de marcha e apoia os novos senhores da guerra com treinamento e armas.
  • 2020
    Tesouro dos EUA sanciona a Meroe Gold. Inicia-se o processo de criação de uma empresa de fachada sudanesa, a al-Solag.
  • 2021
    Comitê anticorrupção: criado após a revolução do Sudão em 2019, um comitê anticorrupção descobre a operação de contrabando da Rússia em conluio com membros das forças armadas sudanesas. A investigação é encerrada pouco antes do golpe militar de outubro de 2021, após o qual a junta desmantela imediatamente o comitê.
  • 2022
    A al-Solag: a reportagem da CNN descobre que as operações de contrabando continuam sob a al-Solag, empresa de fachada da Meroe Gold.

“A desvantagem do ouro é que é físico e muito mais complicado de usar do que as transferências bancárias internacionais, mas o outro lado é que é muito mais difícil, senão impossível, congelar ou apreender”, disse Daniel McDowell, especialista em sanções e professor associado de Ciência Política na Universidade de Siracusa.

O centro da operação de extração de ouro da Rússia fica nas profundezas do deserto do nordeste do Sudão, uma paisagem branqueada salpicada de abismos onde os mineiros trabalham no calor escaldante, com apenas tendas feitas de pedaços de lona e sacos de areia proporcionando algum descanso.

Os mineiros dessas minas artesanais remotas convergem para al-Ibaidiya – conhecida como “cidade do ouro” – todas as manhãs, carregando sacos de ouro em carroças puxadas por burros pelas estradas não pavimentadas da cidade. Os maiores licitantes por seus produtos, muitos deles dizem, são quase invariavelmente comerciantes enviados de uma fábrica de processamento próxima conhecida pelos moradores como “a empresa russa”.

Uma bandeira soviética voa sobre a planta de processamento no deserto do Sudão, uma instalação conhecida pelos moradores como a “empresa russa” / Alex Platt / CNN

É um processo de venda desordenado que fontes dizem que é o centro nervoso do sifão de ouro da Rússia. Cerca de 85% do ouro no Sudão é vendido dessa maneira, de acordo com estatísticas oficiais vistas pela CNN. As transações são em sua maioria fora dos livros, e a Rússia domina esse mercado, de acordo com várias fontes, incluindo denunciantes de mineração e fontes de segurança.

Por pelo menos uma década, a Rússia escondeu seus negócios de ouro sudaneses do registro oficial. As estatísticas oficiais de comércio exterior do Sudão desde 2011 listam consistentemente as exportações totais de ouro da Rússia do país em zero, apesar das abundantes evidências das extensas negociações de Moscou neste setor.

Como a Rússia se beneficiou de pontos cegos consideráveis do governo, é difícil determinar a quantidade exata de ouro que removeu do Sudão. Mas pelo menos sete fontes familiarizadas com os eventos acusam a Rússia de conduzir a maior parte das operações de contrabando de ouro do Sudão – onde a maior parte do ouro do país foi parar nos últimos anos, segundo estatísticas oficiais.

Um denunciante de dentro do Banco Central do Sudão mostrou à CNN uma foto de uma planilha mostrando que 32,7 toneladas não foram contabilizadas em 2021. Usando os preços atuais, isso equivale a US$ 1,9 bilhão em ouro perdido, a US$ 60 milhões a tonelada.

Mas vários ex-funcionários e atuais dizem que a quantidade de ouro perdido é ainda maior, argumentando que o governo sudanês subestima muito o ouro produzido em minas artesanais informais, distorcendo o número real.

Lascas de ouro prontas para passar por testes de certificação, no Sudão / Alex Platt / CNN

A maioria das fontes internas da CNN afirma que cerca de 90% da produção de ouro do Sudão está sendo contrabandeada. Se for verdade, isso equivaleria a cerca de US$ 13,4 bilhões em ouro que burlou alfândegas e regulamentos, com potencialmente centenas de milhões de dólares perdidos em receita do governo. A CNN não pode verificar esses números de forma independente.

Um investigador anticorrupção sudanês que rastreia há anos os negócios de ouro da Rússia no Sudão forneceu à CNN as coordenadas de uma importante usina de processamento russa. Quando a CNN chegou ao local, a cerca de oito quilômetros de al-Ibaidiya, uma bandeira soviética tremulava sobre o complexo. Um caminhão de combustível russo estava estacionado do lado de fora.

Um encontro casual com o guarda – que confirmou que a instalação pertencia à chamada “empresa russa” – rapidamente se transformou em um confronto tenso.

O guarda falou através de um walkie-talkie, transmitindo o pedido da CNN para falar com “o gerente russo”. Um grupo de homens sudaneses correu para o local e ordenou que a equipe da CNN saísse, antes que o carro da CNN fosse seguido pela equipe de segurança.

“Você precisa ir”, disse outro funcionário sudanês da fábrica. “Esta não é uma empresa russa. É uma empresa sudanesa chamada al-Solag.”

A al-Solag é uma empresa sudanesa de fachada da Meroe Gold, empresa de mineração russa sancionada pelos EUA, de acordo com cinco fontes oficiais sudanesas e documentos de registro da empresa analisados pela CNN.

Lascas de ouro sendo pesadas em um laboratório de ouro / Alex Platt / CNN

A formação da al-Solag no ano passado marcou um ponto de virada fundamental para a presença da Rússia no Sudão. Sob o novo modelo, os negócios da Rússia recuaram para as sombras, tornando os acordos mais dependentes da liderança militar do Sudão e permitindo ainda que os atores russos contornem as instituições estatais, incluindo regulamentos relativos a empresas estrangeiras, sob o pretexto de um negócio local. A CNN entrou em contato com a liderança militar do Sudão para comentar e não recebeu resposta.

‘Excesso de escrutínio dos EUA’

Em 2021, o enviado russo do Sudão, Vladimir Zheltov, convocou uma reunião improvisada com autoridades de mineração sudanesas.

Parecendo visivelmente nervoso, Zheltov exigiu que a Meroe Gold fosse “ocultada” depois de ficar sujeita a “muito escrutínio dos EUA”, de acordo com um denunciante do Ministério de Mineração do Sudão que teve conhecimento em primeira mão da reunião.

Em junho deste ano, as demandas de Zheltov se materializaram. A transferência dos ativos da Meroe Gold para a al-Solag, de propriedade sudanesa, parecia ter sido concluída. Uma análise dos documentos de registro das duas empresas revelou semelhanças marcantes, incluindo duas listas idênticas de penalidades legais.

De acordo com a lei sudanesa, uma empresa que deseja transferir suas participações também deve transferir sentenças contra ela. É ilegal ter um parceiro estrangeiro não declarado.

O comitê anticorrupção do Sudão, um órgão de vigilância criado para ajudar na transição do Sudão para a democracia, bloqueou a tentativa de subterfúgio, de acordo com um ex-oficial civil com conhecimento direto dos eventos. O comitê anticorrupção enviou um relatório detalhado às forças armadas em setembro de 2021 com evidências da transferência de Meroe Gold para al-Solag, pedindo que parassem o que chamaram de “crime contra o Estado”.

Al-Ibaidiya, no Sudão, é conhecida como cidade do ouro e fontes dizem que está no centro da operação de contrabando de ouro da Rússia / Alex Platt / CNN

O órgão de vigilância também acusou os militares de cumplicidade nos negócios da Rússia, provocando a ira da liderança militar que criticou o comitê por “prejudicar as forças armadas”, segundo o ex-oficial civil.

“Os oficiais russos e sudaneses viram os civis no governo como um obstáculo aos seus planos”, acrescentou o ex-funcionário.

Em outubro de 2021, um mês depois que o comitê anticorrupção interrompeu a transferência de participações de Meroe Gold para al-Solag, os militares do Sudão deram um golpe – que autoridades dos EUA e ex-fontes oficiais acusam a Rússia de apoiar – e a junta imediatamente desmantelou o Comitê.

“A Rússia é um parasita”, disse o ex-funcionário. “Ele saqueou o Sudão. E exigiu uma penalidade política muito grande ao encerrar um projeto democrático que poderia ter transformado o Sudão em uma grande nação.”

O general Mohamed Hamdan Dagalo, líder da unidade paramilitar das Forças de Apoio Rápido, é um dos principais beneficiários do apoio russo, como principal destinatário das armas e treinamento de Moscou. Abdel Fattah al-Burhan – o governante militar do país – também é considerado pelas fontes sudanesas da CNN como alguém apoiado pela Rússia.

Grupos de direitos humanos implicaram tanto Burhan quanto Dagalo (conhecido como Hemedti) em supostos crimes de guerra e crimes contra a humanidade durante o conflito de Darfur no Sudão, que começou em 2003.

No mesmo dia em que a Rússia lançou sua invasão da Ucrânia em 2022, Hemedti chefiava uma delegação sudanesa em Moscou para “avançar as relações” entre os dois países.

Integrantes do grupo Wagner no território

Em uma passagem de fronteira empoeirada entre a República Centro Africana e o Sudão em março de 2019, um russo de óculos de 34 anos enviou freneticamente a seu chefe – o proprietário da Meroe Gold, Mikhail Potepkin – um pedido de ajuda.

“Radimir está chateado porque ninguém /foi avisado”, escreveu Aleksei Pankov em uma conversa no Telegram que o Dossier Center compartilhou com a CNN. Ele estava se referindo a Kuznetsov, o ameaçador agente Wagner de alto nível, retratado como ocupando a fronteira ao lado de agentes de inteligência sudaneses.

“Diga a Radimir que foi uma operação ‘fechada’. Por isso não o avisamos”, foi a resposta de Potepkin.

“Caramba, Radimir é assustador. Eu quase ‘fiz’ nas calças”, escreveu Pankov de volta.

Fresadoras moem minério de ouro na usina de moagem de al-Ibaidiya, no Sudão / Alex Platt / CNN

Essa troca faz parte de uma série de evidências coletadas pela CNN que estabelece Kuznetsov como um importante executor de Wagner em locais importantes no Sudão.

CNN também viu comunicados oficiais sudaneses fazendo referência a Kuznetsov como um russo armado “problemático” que supervisionava a segurança na usina de processamento de ouro russa perto de al-Ibaidiya. Uma fonte familiarizada com as atividades da Meroe Gold no Sudão disse que Kuznetsov também frequentava os escritórios da empresa em Cartum.

Agentes do grupo Wagner são enviados para o Sudão de forma rotativa, disse o Dossier Center, e Kuznetsov pode ser um dos vários homens do Wagner no país. Estes são despachados estrategicamente para proteger o esquema de contrabando da Rússia, que cresceu em importância desde que a Rússia lançou sua guerra contra a Ucrânia.

Esses agentes do grupo Wagner parecem fazer parte de um clima crescente de medo, à medida que Moscou aperta seu controle sobre o oleoduto do Sudão, dizem fontes.

Várias redes de jornalismo local cujo trabalho a CNN se baseou para este relatório – como Mujo Press, al-Bahshoum e a página do Facebook do jornalista ativista Hisham Ali – foram alvo de ataques nos últimos meses, e levadas ao exílio sob ameaça de assassinato. Dez manifestantes foram mortos a tiros em manifestações apenas em junho, três dos quais eram proeminentes ativistas pró-democracia. Fontes de segurança da CNN acreditam que eles foram alvos de forma deliberada.

Autoridades sudanesas de alto escalão pediram repetidamente a Nima Elbagir, da CNN, que se afastasse dos locais de protesto. Desde que a CNN iniciou esta investigação, Elbagir foi colocado na lista de alvos da junta militar, de acordo com várias fontes de segurança sudanesas.

Enquanto as imagens de tanques russos cercando Kyiv eram exibidas nas telas de TV no Aeroporto Internacional de Cartum, os funcionários observavam o avião carregado de biscoitos e ouro decolar em fevereiro passado. O alto escalão do exército interveio e uma sensação de mau presságio se instalou.

Alguns dos funcionários que descobriram o transporte foram realocados, alguns para postos de serviço regionais e outros enviados para reservas do exército, segundo uma fonte com conhecimento direto do incidente.

“Eles pagaram o preço por fazer o serviço deles”, disse a fonte à CNN.

*Com informações de Gianluca Mezzofiore, Mohammed Abo Al Gheit, Darya Tarasova e Jennifer Hansler, da CNN.

Mais Notícias