spot_imgspot_img

Rússia sanciona parlamentares e soldados britânicos que apoiam Kiev



A Rússia impôs nesta segunda-feira (12) novas sanções contra 18 cidadãos britânicos vinculados às Forças Armadas, ao Parlamento e a diversas instituições de ensino superior do Reino Unido, em resposta ao que definiu como histórico de confrontação de Londres e à sua ajuda militar à Ucrânia.

“Foi tomada a decisão de incluir na lista de inimigos da Rússia uma série de representantes da classe política e militar, bem como da comunidade científico-acadêmica do Reino Unido”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores de Moscou em um comunicado ao qual anexou uma lista com os nomes.

A lista, que inclui James Cartilidge, subsecretário de Defesa, Charles Roland Vincent Walker, subchefe do Estado-Maior das Forças Armadas, e Simon Asquith, comandante das Forças Submarinas, entre outros militares de alto escalão, também veta a entrada na Rússia de professores, como Ivor Norman Richard Davies e Timothy John Garton Ash, da Universidade de Oxford.

Segundo a diplomacia russa, esta medida responde ao histórico de confrontação de Londres, “em que o nosso país é demonizado, discursos anti-russos são ativamente fabricados para reduzir a influência de Moscou em nível internacional, e ao envio de armas ao ‘regime’ de Kiev”.

“Somos obrigados a confirmar que os representantes britânicos cheios de ‘russofobia’ não hesitam em participar de ações destinadas a desacreditar o regime constitucional e os processos sócio-políticos no nosso país”, disse a pasta.

Nesse sentido, ressaltou a diplomacia russa, destacam-se grupos que trabalham nas principais academias britânicas e ocidentais. “Ao apoiar o ‘regime’ de Volodymyr Zelensky na sua aspiração de continuar o derramamento de sangue, os ingleses devem estar conscientes de que partilham com os ‘neonazistas’ ucranianos a responsabilidade pelos crimes contra a população civil”, afirmou o Ministério das Relações Exteriores de Moscou.

A Rússia expande periodicamente sua lista de inimigos com novos nomes, em sua maioria políticos e funcionários britânicos acusados ​​de desacreditar o governo de Vladimir Putin ou de apoiar a Ucrânia.



Fonte: Gazeta do Povo

spot_imgspot_img

Últimas

Leia também

spot_imgspot_img

Motociclista tem fratura exposta após colisão com carro, no Cidade Universitária, na BR-104

Um homem de 30 anos foi socorrido após se envolver em...

MP da Bahia denuncia dois policiais pelo assassinato de jovem cigano

O Ministério Público da Bahia (MP-BA) denunciou dois policiais militares pelo...

Prefeitura de Maceió oferece 68 vagas em cursos de qualificação

O Programa Qualifica Maceió está oferecendo 68 vagas em cursos de...