spot_imgspot_img

Xi, Putin, Bush e Macron lamentam morte de Kissinger; veja repercussão



Políticos em todo o mundo se manifestaram nesta quinta-feira (30) lamentando a morte do ex-secretário de Estado americano Henry Kissinger, falecido aos cem anos na sua casa em Connecticut, nos Estados Unidos.

O ditador chinês, Xi Jinping, expressou seu “profundo pesar”
pela morte do ex-secretário de Estado, a quem descreveu como um “estrategista
de categoria mundial” e “velho e bom amigo” do povo chinês, em uma mensagem de
condolências enviadas ao presidente dos EUA, Joe Biden, informou a agência
oficial Xinhua.

Xi afirmou que Kissinger foi um “visionário” que deu uma
“contribuição histórica” para a normalização das relações entre China e EUA há
meio século, o que “beneficiou ambos os países e mudou o mundo”.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, também afirmou que
Kissinger foi um político visionário, de grande autoridade em todo o mundo.

“Morreu um diplomata muito destacado, um estadista sábio e
visionário, que durante muitas décadas gozou de autoridade merecida em todo o
mundo”, diz o telegrama que foi enviado à viúva do político americano e publicado
pelo Kremlin.

O presidente da Câmara dos Estados Unidos, o republicano Mike
Johnson, chamou Kissinger de “uma das figuras mais importantes do século 20”.

“Kissinger foi um estadista que dedicou a sua vida a servir aos
Estados Unidos e deve ser lembrado pelos seus esforços para garantir a paz
global e a liberdade em outros países. Enviamos nosso respeito e orações à
família Kissinger enquanto eles colocam para descansar um homem gigante”,
escreveu no X.

O presidente de Israel, Isaac Herzog, durante reunião em Tel
Aviv com o atual secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que
Kissinger “lançou a pedra angular do acordo de paz mais tarde assinado [pelo
Estado judeu] com o Egito, e de tantos outros processos em todo o mundo que eu admiro”.

O próprio Blinken afirmou que Kissinger “estabeleceu o
padrão para todos que o seguiram neste cargo” e se disse “muito privilegiado por
receber seus conselhos muitas vezes, inclusive há cerca de um mês”.

O ex-presidente George W. Bush (2001-2009) disse que os
Estados Unidos “perderam uma das suas vozes mais confiáveis e distintas” nas
relações exteriores. O presidente francês, Emmanuel Macron, escreveu no X que
“Henry Kissinger foi um gigante da história”.

Entretanto, o ex-secretário de Estado também foi alvo de
críticas. A revista Rolling Stone, de linha editorial progressista, chamou o
ex-secretário de Estado de “criminoso de guerra”.

Ben Rhodes, que foi conselheiro de Segurança Nacional da
Casa Branca durante a presidência de Barack Obama (2009-2017), criticou Kissinger
em um artigo no New York Times.

“Às vezes oportunista e reativa, sua política externa era apaixonada pelo exercício do poder e desprovida de preocupação com os seres humanos deixados no seu rastro”, escreveu Rhodes, que chamou Kissinger de “hipócrita”. (Com Agência EFE)



Fonte: Gazeta do Povo

spot_imgspot_img

Últimas

Leia também

spot_imgspot_img

Prefeitura de Maceió oferece 68 vagas em cursos de qualificação

O Programa Qualifica Maceió está oferecendo 68 vagas em cursos de...

Justiça aceita denúncia do MP e mantém prisão de acusado de atentado contra Kátia Born

A Justiça de Alagoas aceitou a denúncia do Ministério Público de...

Condutor de motocicleta tem fratura exposta após colisão com carro na BR-103

Um homem de 30 anos foi socorrido após se envolver em...